Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728


CONTADOR DE VISITAS


contador View My Stats

página de fãs


Pesquisar

 

sitemeter


Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


“ A AVENTURA DE DOIS JOVENS PARADENSES “

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 22.02.13

 

 

Certo dia, dois amigos, rapazolas da aldeia de Parada de Aguiar, de seus nomes António Moreira e Agostinho Rodrigues, em conversa um com o outro, a dado momento, o António convidou-me para ir a uma festa que se ia realizar em Fortunho - terra de sua mãe, Sr.ª Soledade – à qual ele gostava de ir.

Bem! Lá combinamos a forma de arranjar o dinheiro para o transporte e mais uns trocos para comermos um bucha lá na dita festa. Depois de tudo acertado e chegado o tal domingo, lá viemos nós até ao Apeadeiro de Parada, onde apanhamos o comboio até Fortunho. Chegados aí, diz o António. Vamos passar ali por casa da minha tia – o que fizemos. Já em casa da tia e, em conversa, a Sr.ª Foi pondo alguma coisa de comer – que nós aceitamos com bastante apetite como não podia deixar de ser. Então o António procurou à tia qual era o melhor caminho para ir ter à dita festa, visto a capela onde esta se ia realizar ficar lá num monte bastante alto e desviado da aldeia. A senhora lá nos informou e até nos indicou a pessoas lá da aldeia que também iam para o mesmo local. Lá fomos todo caminho acima até ao sítio da capela.

Uma vez no local – foi-nos dado ver que já existia grande animação. Damos uma volta pelo recinto e fomos parar numa barraca de jogos, onde havia matraquilhos e espingardas de atirar setas. Resolvemos jogar matraquilhos. Tudo estava a correr bem até ao momento que o António, meteu a moedita de escudo para saírem as respectivas bolas para iniciarmos nova jogada mas, as bolas não saíram. O António, dirigiu-se à rapariga matulona que estava a tomar conta daquilo com os pais e disse-lhe que as bolas não tinham saído. A rapariga começou logo a barafustar – não saíram? Queres ver como saem? E, acto contínuo mete uma moeda e as bolas saíram. Ao saírem as bolas logo disse!.. Estás a ver meu (c….) como as bolas saem e, sem mais nem menos – dá uma chapada ao António, ao mesmo tempo que nos insultava com palavrões de toda espécie.

Nós; envergonhados com risadas de uns e chacota de outros -resolvemos ir dar uma volta e combinar como nos íamos vingar da gaja.

Bem: - Se melhor o pensamos – melhor o fizemos. Depois de passado algum tempo – voltamos de novo à barraca das setas. Lá estava a mesma matulona atrevida a entregar as setas e a espingarda a quem queria jogar. Dirigi-me ao balcão improvisado – comprei umas setas e toca de disparar ao alvo - mas sempre com o intuito de lhe enfiar uma seta no traseiro como tínhamos combinado.

Quando a espertalhona matulona se colocou a jeito – não estou com mais rodeios, enfio-lhe uma seta naquele traseiro redondinho que ela deu um guincho que nem uma gata assanhada ao mesmo tempo que gritava. Ah seu grande filho da (….). Vou-te matar e atira-me com o alicate que tinha nas mãos para arrancar as setas do alvo e, grita para o pai para este nos vir arrear. Mas; quando ela fez isso – já eu e o António vínhamos a correr por aquele monte abaixo que nem desalmados – ao mesmo tempo que ouvia-mos: agarrem – agarrem – mais nós batíamos com os calcanhares no rabo por aquele mato fora direitos à Estação de Fortunho, a fim  de apanharmos o comboio de regresso a Parada, com a chapada vingada.

São estas recordações dos tempos de mocidade que por vezes se praticam sem ter bem a noção das consequências que daí podem advir.

Um grande abraço a todos e até uma próxima.

Agostinho Rodrigues

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:21

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net

5 comentários

De cunha ribeiro a 22.02.2013 às 22:24


Grande safado, este Agostinho Rodrigues quando rapaz... Gostei muito da história, amigo Agostinho.

De fatima monteiro a 23.02.2013 às 10:52

Ó primo tu tens cada passagem na tua mocidade ,que eu é uma risada ,fico sempre a ver quando vem outra.E o livro ?Um grande abraço,beijinhos para a minha prima.

De cunha ribeiro a 23.02.2013 às 12:42


Com que então, vocês são primos...

De fatima monteiro a 25.02.2013 às 16:42

Francisco,não me digas que não sabias!

De cunha ribeiro a 25.02.2013 às 21:08

Eu não. Mas quero isso " Claro", bem CLARO...

Comentar post



Comentários recentes

  • cunha ribeiro

    Absolutamente de acordo!

  • Cláudio Dias Aguiar

    Sou Cláudio Dias Aguiar, único filho do casal Raim...

  • mami

    domingo gordo é mesmo para enfardar :D :D :D

  • Anónimo

    Os meus pesames a familia.

  • Ebe Taveira

    Como assim??

  • cheia

    Muitos parabéns pelas suas oitenta e quatro Primav...

  • cunha ribeiro

    À Emília e ao Orlando Branco, filhos da Dona Alice...

  • cheia

    Já não bastava  as agencias de rating conside...

  • cunha ribeiro

    Grande texto sr Agostinho Gomes Ribeiro. Partilho-...

  • João Ribeiro

    Parabéns primo Agostinho pelo belo texto sobre a S...




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg