Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


“ UMA NOITE DE INVERNO E UM SUSTO AINDA MAIOR QUE A NOITE “

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 23.11.12

 

                     

Certo dia, sendo um rapazola dos meus 16/17 anos, depois de ter estado a jogar às cartas na tasca do Sr. Alfredo, em companhia de mais alguns rapazes de infância, de regresso a casa por volta da 01H00 da manhã numa noite muito escura sem se enxergar mesmo nada, lá me ia orientando pelo tacto porque conhecia muito bem o caminho. Ao chegar mais ou menos entre as casas do Ti Patrício e Ti José Maria, naquele caminho apertado, ainda mais escuro fazia mas, conhecedor do terreno ia prosseguindo o meu trajecto não contendo com obstáculos que a qualquer momento pudessem surgir. Nessa noite estava um frio de rachar e, os meus vizinhos Ferreiras, eram donos de uma burra preta que, por esquecimento dos donos, naquela noite não teve direito ao seu aconchego, ficando ao relento da noite. Como estava muito frio, a pobre da burra foi-se abrigar para entre as casas. Eu, não estando à espera de tal, o que é certo, bati com o nariz mesmo em cheio no animal. Não queiram saber o susto que apanhei. Até os cabelos se puseram em pé. A pobre da burra, também se assustou, começou a correr e foi parar à frente da casa dos pais dos nossos associados Ferreiras. Aí, eu comecei a ficar mais tranquilo. Eu tinha ficado sem acção. Até os socos se agarraram ao chão que nem conseguia levantar os pés. Mas; depois de me começar a aperceber-me do que se estava a passar lá fui reagindo com alguns palavrões como é próprio do vocabulário português e o coração a bater mais calmamente. Naquele tempo – aos serões, falava-se muito no diabo que se transformava em animais. Por isso estão a ver o susto que eu apanhei. De momento e, àquela hora da noite, só me lembrei que estava em frente ao diabo. Foi cá um cagaço daqueles que faz mesmo arrepiar os cabelos. Felizmente não era o diabo mas sim um animal doméstico que teve tanto medo quanto eu tive.

Aqui fica mais uma história para os meus amigos se rirem um pouco e, esquecerem a amargura da vida que, cada vez se está a tornar mais complicada para todos nós.

 

Um abraço para todos e até uma próxima.

 

Agostinho Rodrigues

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 12:45

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net

1 comentário

De cunha ribeiro a 23.11.2012 às 21:25

Pois o Agostinho tem cada história. Esta teve a novidade de ser de "terror" e suspense. Parabéns, Agostinho. E venham mais.

Comentar post



Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg