Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Fátima Monteiro: "Natais de Outrora"

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 10.12.12

Antigamente, era uso e costume nas longas e frias noites de inverno fazerem serão .

Como não havia televisão nem cafés, e nesse tempo as pessoas da aldeia eram muito unidas, iam umas para casa das outras passar o serão .

Ali ficavam até altas horas a confraternizar. Contavam-se anedotas ,histórias ,falava-se de assuntos contemporâneos e de outros tempos ,cantavam-se cantigas da aldeia ,uma tradição que hoje em dia se perdeu.

Em minha casa não era diferente ,com a presença sempre esperada e muito bem vinda da minha tia Maria ,e dos meus primos ,enquanto o meu tio esteve no Brasil. Depois, com ele também. Eram noites fantásticas ,cheias de alegria ,a minha tia fiava ,torcia ,dobava, e fazia na meia, a minha mãe nas tarefas da casa e da taberna ( o chamado café de agora), meu tio e meu pai conversavam, e nós os pequenos na brincadeira .

Nas noites à beira do Natal já só pensávamos na noite de consoada, para nos divertimos ,nos jogos do rapa ,do pião etc . Na noite de consoada ali estavamos todos reunidos ,em grande algazarra ,com os jogos , e minha mãe danada , porque só se viam confeitos no chão, os quais nós íamos “rapinar” em baixo, na loja. O meu tio era um castiço, a contar as aventuras da tropa e do Brasil

Ainda guardo ma memória uma que ele contava, e que todos nós gostavamos de ouvir.

Certo dia, estando ele num Botequim, entraram uns senhores e disseram para o que estava dentro do balcão: “Arreia aí cachaça galego de merda que aqui tudo bebe e ninguém paga!...”. O pobre do homem, a tremer de medo, lá os serviu, contrariado, o que eles quiseram ,e enquanto lhes apeteceu. Só quando arredaram, bêbados que nem carros, respirou de alívio”.

 

 E assim se passavam os serões,  divertidos ,alegres, e em família ...

 

 

 

Um feliz Natal, para todos os Paradenses, e amigos deste blog .

 

Fátima Monteiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 16:02

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net

1 comentário

De candida a 10.12.2012 às 17:21

Obrigada prima de nos rejubilar com o teu lindo texto,e de nos reavivar a nossa infancia^que era feliz e muito unida. ainda tenho saudades desses tempos que ja la vào... Candida

Comentar post



Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg