Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


REVIVER A INFÂNCIA EM PARADA DO CORGO

por cunha ribeiro, Sábado, 23.03.13

 II. VIAGEM A SOUTELINHO DO MONTE

 

Pouco tempo depois, outra inesquecível viagem. E que viagem, amigo!  De táxi. Lá vais tu, sentado no banco de trás, ao colo da tua madrinha. Vais aturdido com a bravura e destreza de um chofer de táxi que te faz galgar entre muros e árvores, no aperto das curvas da estrada, por altos e baixos, até Soutelinho do Monte, terra da Dona Carolina, velha professora primária. A sorte que tiveste em conhecer aquela senhora! Mas conta, conta tu, pois só tu podes narrar o gesto inesquecível.

 

 “ O chofer deixou-nos à porta da Dona Carolina. Entrámos, cumprimentámo-la, achei que tinha má cara, e logo que pude raspei-me para o quinteiro, onde uma lata vazia me despertou o instinto do xuto. Desato aos pontapés a torto e a direito, abstraído de tudo à minha volta, sem perceber que estava a ser observado. Era a Dona carolina que, mal terminou a conversa com a madrinha, se dirigiu na direção dos ruídos da lata, em pleno quinteiro. Que, certamente, a incomodavam. Chamou-me. Pronto, pensei, de uma boa chapada já não me livro. E fui, cheio de medo. Ela olhou para mim, eu baixei a cabeça, tentando esconder a vergonha, e preparar receção ao inevitável tabefe. Eis se não quando, estende-me a mão e dá-me uma bola. Uma pequena bola de borracha, verde, leve, que saltitava quando batia no chão. Com ela podia  dar toques, jogar de cabeça, e praticar outras habilidades. Era a minha primeira prenda. O único brinquedo a sério até àquele momento! Olhei na direcção dos olhos da Dona Carolina. Sorria, o seu rosto, agora bonito, transfigurou-se. Os seus olhos, agora luminosos, brilhavam de alegria. Tive vontade de a abraçar, mas a minha timidez impediu-mo. Ainda bem que me deu um beijo, me pôs suavemente a mão na cabeça, e me disse: “ Vai, meu filho, vai agora jogar”.

 

Voltaste para casa cheio de orgulho do teu brinquedo. Mostraste-o aos teus irmãos embevecido. E os três jogastes dias a fio com ela, até ao furo que lhe deu fim. E é assim, esfusiante de euforia, mas prisioneiro da dúvida, e da timidez, que tens medido, algumas vezes, a pequenez da tua humana estatura, sentindo que és nada no mundo que te rodeia. Por isso te instalas no teu cantinho, entre as paredes graníticas da angústia e as janelas abertas da audácia. Essa ambivalência que te veio do berço são as amarras e a vela do barco onde vais sulcando a viagem da tua vida. Daí o assombro de sensações por ti revivido um pouco mais tarde, em poesia sôfrega e contida, numa outra viagem alucinante, sob o comando de um Engenheiro Naval, inventado num intervalo crepuscular, por F. Pessoa."

 

FCR

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 18:58

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds