Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


Pesquisar

 

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


VISITAR PARADA DO CORGO

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 21.09.09

 

III

 

DO VIVEIRO AOS PICÔTOS
As aldeias têm sobre as cidades a enorme vantagem de poderem desfrutar de um “logradouro” comum, onde as pessoas se podem espraiar e respirar liberdade. E há certas aldeias que têm o privilégio de terem um vasto e bonito “logradouro”. E Parada teve a sorte de os deuses lhe terem concedido esse feliz privilégio.
E você que está de visita, e que já se deslumbrou com a maravilha que é o Viveiro, vai continuar o percurso dos caminhos que fazem do nosso logradouro comum um dos mais belos de toda a Padrela.
Desça então (devagar, pra não tropeçar) a vertente sudeste da nossa montanha. E siga as veredas que acompanham o “ribeiro da tapa”. Não espere uma marcha muito serena. Às vezes, corre sem querer, como se alguém o empurrasse deveras. Mas é a ladeira da serra que, aqui e ali, tem socalcos repentinos e inesperados.
Mas, não desanime, se gosta de passear lentamente. De quando em vez, o monte como que aplaina, e deixa-lhe ver, com calma e doce deleite, toda a paisagem à sua volta. Então repare: Já bem no alto, à sua esquerda, o “penedo redondo” endurece o vasto dorso da serra e parece ter rebolado do cimo duma  longínqua  fraga. Quem sabe se terá deslizado, num tombo brutal e aterrador, dum flanco desamparado da “fraga de novais”… ( Lá, onde o troço visível da velha “estrada florestal da Padrela” nascia aos nossos olhos. E, de longe a longe, um carro “luzia”, deixando no ar um remoinho de pó.).
Mas continue. Lance um olhar de menino ( ou menina) e surpreenda-se com a contínua novidade da natureza. E vá descendo. Descendo. Vá andando. Andando. Olhe aquele rebanho de ovelhas ali a branquear a verdura do lameiro, húmido e fresco. Veja as manchas castanhas e dispersas das vacas que pastam junto ao ribeiro. E oiça a água cantar nas pedras de espertos regatos. Veja, oiça e olhe. Dentro em pouco terá pela frente um curioso par de montanhas, largas e redondas na base e estreitando em cone, até ao cimo. ( Como se fossem duas torres de menagem, lembrando castelos de outrora, ali estão duas nobres montanhas a fugir do colo da sua mãe…)
Na  “fronteira” de entre Zimão e Parada, podia ter crescido um castelo de Pedra. Mas não. Cresceram duas enormes torres feitas de pedra, terra e vegetação. E às duas “torres” redondas, altas e estreitas na ponta, chamaram “picotos” – onde você está agora, espantado com esta estranha grandeza, já muito próxima do vale.
Mas que não deixa de ser uma bela e feliz, aparição.
( cont.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:49

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Comentários recentes




GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds