Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Setembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


O "LUSO JORNAL" É GRATUITO, SRS EMIGRANTES

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 15.09.10

A comunidade de origem portuguesa em França está de parabéns: o LusoJornal regressou, após cerca de dois meses de suspensão. Com o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa, sob a dinâmica direção de Carlos Vinhas Pereira, voltou a publicar-se este semanário gratuito bilingue, que já se havia tornado uma janela aberta para o mundo luso-francês e cuja suspensão já aqui havia sido lamentada.


 

 

É feito em Paris, no Boulevard Vincent Auriol. Assinem.

É gratuito e em duas línguas ( português, francês).

A Cândida Dias, nossa grande leitora de livros e de jornais, estou certo que vai aproveitar...

 

 

 

 

 

 

 

 

Ao seu diretor, Carlos Pereira, e colaboradores desejam-se as maiores felicidades nesta nova fase do jornal.

 

 

 

Embaixador de portugal em Paris

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:05

Parábola do Pastor Jacinto

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 15.09.10


 

Jacinto Cordeiro Alves da Moca, pastor na Serra da Estrela, nasceu num velho casebre, lá nos confins duma escarpa serrana. Através da greta de uma esquadria já gasta pela voragem do tempo, ao acordar de manhã, descobre com espanto que a Estrela, por vezes, fumega. Mais pelo estio, são esses malditos incêndios que vão consumindo, sem tréguas, o arvoredo luso. Inverno dentro, é a névoa ou o nevoeiro que se instalam nas faldas da serra, e a tornam húmida e agreste.

À noite, quando se deita, sem nuvens nem nevoeiro, pela fresta de uma telha partida, deleita-se a ver as estrelas brilhar sob o fundo azul-escuro do Céu.

Eis como este pastor, de meia idade, nascido no seio de uma família pobre, mas moralmente abastada, educado num meio analfabeto, mas inteligente e honesto, explica a sua alergia aos partidos e aos sincicatos:

 

“Sou, com todo o orgulho, pastor, na Serra da Estrela, mas nunca me inscrevi no Sindicato dos Pastores da Serra da Estrela. A princípio, baldei-me por ter de preencher montes de papelada, e, como sou analfabeto, tinha de pagar a quem a preenchesse.  Depois, mal percebi que o preço do leite das minhas ovelhas estava sempre a baixar e o queijo na venda sempre a subir, estive vai não vai p`ra me inscrever. Mas como o sindicato teimava em não defender os interesses da minha classe, não resolvendo coisa nenhuma, lá me fui deixando estar, e hoje ainda sou uma ovelha tresmalhada do rebanho do Carvalho da Silva.

 

Nunca fui nem nunca serei comunista. Gosto de os ouvir palrar, lá isso gosto. Sobretudo quando estou com insónias. Assim consigo fechar as pestanas mais cedo do que se “contasse os carneiros” que tenho no meu rebanho. Embora aprecie alguns capítulos do seu catecismo, e ache piada ao discurso esforçado do Jerónimo, não acredito nessa treta de que somos todos iguais. Eu acho-me diferente dos outros. Numas coisas melhor e noutras pior, mas diferente. E quero poder acreditar em Deus, quando estiver doente ou já estiver mais pra lá que pra cá, mesmo que, por agora, nem vá à missa. E os polidores de esquinas, os decoradores de esplanadas, numa palavra, os preguiçosos, não devem ter tantas ovelhas como os que se esforçam e trabalham. E a última razão é que não quero distribuir com ninguém a herança do meu tio padre, que já tem 90 anos, e deve estar à beira da campa, pois tem uma doença que chamam de “cigarrosa” (devido à mania de esvaziar garrafas de vinho de missa, na sacristia).

 

Também nunca me verão a aplaudir Paulo Portas, porque 0 CDS, se estiver no governo, é um partido que apoia os  pobres, pela treta, e os ricos pela “teta”.  Os militantes do CDS dizem que é impossível deixar de haver pobres, só pr`a não falhar  quem  faça o trabalho sujo e quem lhes limpe a latrina. Eu sou  um  pastor serrano e pobre, mas aprecio a igualdade de “oportunidades”, e, já que há ricos por todo o lado, também quero tentar ser como eles, mas  à custa do meu trabalho, e da “destribuição” do que eles retêm dos seus próprios impostos, e do excesso de margem de lucro, nas vendas que fazem, ou serviços que prestam, e que - os grandes sacanas! - costumam gastar em caviar e outras extravagâncias.

 

Muito menos serei do P.S., pois (já) não é um partido como dantes. Se eu tentasse entrar no P.S. tinha que ficar à entrada da porta, porque, à  frente, estão sempre uns tipos muito conhecidos que falam (e mentem) muito, e dizem sempre que sim ao chefe. E eu só sou conhecido no meio da malta ovina e caprina, mas, graças a Deus, sou sério e falo muito pouco ( mas não sou gago!). E digo tudo o que quero e até o que não quero.

 

Também não me vejo a entrar para o PSD.  O PSD é um ninho de víboras. Mordem-se  todos uns aos outros e depois beijam-se, e a seguir mordem-se outra vez…  E eu, ou mordo, ou beijo - não sou nenhum hipócrita!

 

Do BLOCO DE ESQUERDA até nem me importava de ser. Mas é gente que não quer o poder… E eu gostava era de estar no poder pr` acabar co` esta pouca vergonha  da corrupção  e outras malfeitorias que por aí abundam.

 

E pronto. Era isto que tinha a dizer.”

 

 

Jacinto Cordeiro da Moca, pastor, Ladeira da Serra.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 19:00

Subindo a Escada Rolante

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 15.09.10

 

É hoje Secretário de Estado. Recuando no tempo, lembro-me a forma como se projectou na política. Estava quase-advogado. Por essa altura "estalou" polémica jurídico-desportiva em torno do clube da sua terra.

Toca a dar-lhe tempo de antena. Alegadamente para defender a causa do dito clube. Podia não conhecer  nem dominar a lei desportiva ( não consta que tivesse qualquer formação nesse domínio ), mas revelou-se, aos olhos da plateia político-futebolista lusa, um mestre em retórica, fazendo com a língua o que Luís de Matos faz com baralhos de cartas.

De facto, o paleio  urdido com sábia mestria saía-lhe, sem hesitações, em contínua e infindável diarreia , abrindo a boca alarve e desprevenida dos  espectadores da bola, completamente rendidos àquela fantasia verbal.

O certo é que, de imediato, a fama do malabarista da fala,que defendeu "tão brilhantemente!" o Grupo Desportivo de "Coiso",  espalhou-se, como uma nódoa gigante. E ei-lo, da noite pró dia,  a escalar  o prédio do Largo do Rato, levado, sem mais nenhum esforço, pela escada rolante, por onde sobem  " privilegiados" e "amigos".

Depois, foi só esperar que Guterres saísse, e o "amigalhaço" entrasse.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 14:39

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds