Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Mourinho, no melhor pano caíu a nódoa Se Calhar não precisava baixar tanto de nível...

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

 

"Faço uma publicidade, não acredito numa palavra do que digo, toda a gente vê isso menos o banco, e mesmo assim ganho uma pipa de massa."

 

In Albergue Espanhol

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:35

Sandrine, marido, e o Rebento, num belo contexto fotográfico

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:13

O Assessor e o Coveiro

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

Por estas e por outras, é que em Portugal existem Coveiros Cultos e Assessores de merda...

por Ana Mendes da Silva a Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011 às 21:09

 

Assessor Vs. coveiro

EXEMPLO 1

Ora atentem lá nesta coisa vinda no Diário da República nº 255 de 6 de Novembro:

 

No aviso nº    11 466/2008  11 466/2008    (2ª Série), declara-se aberto concurso no I.P.J.

Para um cargo de "ASSESSOR", cujo vencimento anda à roda de 3500 € (700 contos).

Na alínea 7:... "Método de selecção a utilizar é o concurso de prova pública que consiste na

"... Apreciação e discussão do currículo profissional do candidato."

EXEMPLO 2

 

Já no aviso simples da pág. 26922, a Câmara Municipal de Lisboa lança concurso externo de ingresso para COVEIRO, cujo vencimento anda à roda de 450 EUR (90 contos) mensais.

Método de selecção:

Prova de conhecimentos globais de natureza teórica e escrita com a duração de 90 minutos.

A prova consiste no seguinte:

1. - Direitos e Deveres da Função Pública e Deontologia Profissional;

2. - Regime de Férias, Faltas e Licenças;

3. - Estatuto Disciplinar dos Funcionários Públicos.

4. - Depois vem a prova de conhecimentos técnicos: Inumações, cremações, exumações, trasladações, ossários, jazigos, columbários ou cendrários.

5. - Por fim, o homem tem que perceber de transporte e remoção de restos mortais.

6. - Os cemitérios fornecem documentação para estudo.

Para rematar, se o candidato tiver:

- A escolaridade obrigatória somará + 16 valores;

- O 11º ano de escolaridade somará + 18 valores;

- O 12º ano de escolaridade somará + 20 valores.

7. - No final haverá um exame médico para aferimento das capacidades físicas e psíquicas do candidato.

ISTO TUDO PARA UM VENCIMENTO DE 450 € MENSAIS!

 

Enquanto o outro, com 3.500€ só precisa de uma cunha...!!!

 

Vale a pena dizer mais alguma coisa...?!

 

DIVULGUEM!!! Urge que se mostre indignação. Basta de cinismo e de hipocrisia!

 

Moralidade... precisa-se com urgência !

(recebido por mail)

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:08

A Jóia da Coroa aguiarense

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

 

Em Vila Pouca de Aguiar, a jóia da coroa parece ser a Associação Humanitária dos Bombeiros. O seu Presidente, Eng. José Eduardo, tem conseguido guardá-la com certo sucesso, impedindo "Domingos Dias" de a alcançar.

Cá para nós que ninguém nos ouve, pouco importaria que fosse José Eduardo, ou o "Testa de Ferro" de Domingos Dias a presidir aos destinos da Associação, desde que esta fosse bem dirigida, por qualquer deles.

O pior é que não logramos saber quem faria melhor esse lugar. Também não conseguimos saber se o Eng. José Eduardo não agrada ao sector Domingos Dias, por falta de competência, ou por não pertencer à cor política do dito.

Uma coisa parece certa, os apoios da Câmara aos Bombeiros estão há muito em "greve de fome". E assim, o que vai sendo feito não é o que podia ir sendo feito. Não há ovos, não há omeletes...

Já que o poder nos Bombeiros se sustenta numa óbvia base política, o facto de o mesmo estar, hoje, nas mãos do P.S. é, em minha opinião, um factor  positivo, pois neutraliza o fascínio do actual PSD aguiarense por ter tudo o que mexe em Vila Pouca sob o seu inteiro control.

Já chegrá a Domingos Dias ser senhor absoluto da Câmara de Vila Pouca.

 

Cunha Ribeiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 20:38

O Professor Faria Souto recorda o docente de Filosofia, José António Gomes

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

 

O DEVER DE LEMBRAR O PROFESSOR DE FILOSOFIA DO 7º ANO : José António Gomes

 

Manuel F. Faria Souto     (Viana 1965 )

 

 

No princípio, era a “Casa da Silva”… o ”Solar da Silva”… o “Seminário das Missões” por vontade expressa de D. Maria Antónia de Sousa da Silva Alcoforado, a comemorar os primeiros dez anos de vida em instalações novas, que nos recebeu nos primeiros dias do mês de Outubro de 1971.

O Padre Gonçalves de Araújo - aquele Provincial com barbas de missionário - (a trazer à memória a veneranda figura do P. Jerónimo, de Viana) decidiu transferir o 6º e 7º anos, do  Fraião para a Silva, provavelmente com o objectivo  de pôr fim à turbulência, lá vivida, no final da década de 60.

Não sei se o objectivo foi alcançado, ou melhor, se esse era mesmo o objectivo. O que sei, é que todos nós apreciámos essa mudança… oh aquele ano na Silva! Genuína expressão, pelo que diz e pelo que não diz, tantas vezes repetida, quando nos reencontramos e revemos o passado. Merecia bem, um “Canto da Memória” na linha das excelentes e imperdíveis crónicas do nosso professor de Português do 3º ano : Azevedo Moreira.


Éramos 7 no 7º ano


 

e mais 15 no 6º ano. Sentíamo-nos já, de algum modo, destinatários da sentença bíblica “ muitos os chamados e poucos os escolhidos”. E porque insondáveis são os caminhos do Senhor… escolhidos do nosso 7º ano fomos três, para a área de Letras: eu,  Andrade  e  Marinheiro; três para o Direito: Gameiro, Soares e Louro;  o Martins (o Maquinista), o do “Quadro de Distinção “ e (pre)destinado ab initio, para  outros voos, foi piloto da Força Aérea e actualmente  da Aviação Civil.

Para  desempenhar o cargo de Director foi nomeado  o P. Pires. Já com longa experiência, pois contava com vários anos de direcção no Pavilhão Norte, do Fraião.   Regressara nesse ano de Paris, depois de aí cumprir como que  dois  “ anos sabáticos” para  o seu “aggiornamento “. Era um Homem pragmático, com indisfarçável sentido de  humor, de ironia certeira e acutilante, sabendo despertar e respeitar a diversidade de  opinião.

Foram nossos professores:

P. Mendes Pereira : Latim.  Abandonou-nos no 3º período. Ficámos professores de nós mesmos.   Lembro este episódio,  em memória do Louro, na medida em que inadvertidamente o causou.

P. Pires : Religião e  OPAN . Valeu a pena porque nos ensinava outras Organizações Políticas ;

P. João Gomes Gonçalves : Grego e Português . Andava eufórico com a publicação do seu 1º livro : “Cartas de ternura, pilhéria e saudade”  ;

P. Óscar Guedes: História.  Jovial, evidenciava o gosto de ensinar história ;

P. Azevedo: Ginástica . Os  métodos da ginástica pura e dura .

Para nosso professor  de Filosofia foi nomeado o JOSÉ ANTÓNIO GOMES, de Vila Pouca de Aguiar, com a incumbência de leccionar também o 6º ano, de que fazia parte o seu irmão José. Nas suas habilitações académicas constava  a frequência do 2º ano da Faculdade de Filosofia de Braga.

O José António fazia parte do 7º ano quando nós frequentávamos o 3º ano, no Pavilhão Sul. Quatro anos, nos  estudos, nos separavam  e o nosso Director, P. Manuel Gonçalves, apontava esse ano como modelo, um ano de boa colheita. Recordo dos  convívios permitidos em dias festivos,  hiperbolicamente  designados  por “ fusão “, alguns seus condiscípulos: Miranda (futuro Provincial), Emílio, Lino, Almeida, António Pereira, José de Sousa, Vitorino, Jaime, etc

Se havia esta pequena diferença de idades como posicionar-se perante nós, seus alunos e perante os superiores? Como aceitar o seu novo estatuto, sem mostrar afastamento em relação aos senhores padres, já que tinha tudo  a jogar a favor da proximidade connosco? Com verdadeira mestria soube estar connosco e estar com a instituição.

Ensinar exige virtudes: paciência, humildade, curiosidade científica, sensibilidade pedagógica e didáctica, gosto de contacto humano com os estudantes. Pede-se perspicácia, maturidade, inteligência, criatividade, vistas largas.

De tudo isto dava provas o José António quando não nos deixava agarrados ao manual do Bonifácio  -Compêndio de Filosofia - e nos libertava para outras temas filosóficos, em especial da moral Kantiana ou do existencialismo de Sartre, tão em moda nesses tempos. E recordo a sua alegria, já que vaidade não convém ser invocada, quando nos transmitiu as classificações dos exames e entregou ao Gameiro o “troféu” da melhor nota de Filosofia, naquele ano, do Liceu Sá de Miranda.

O José António era também um futebolista de bom recorte técnico, de bem segurar a bola colada ao pé, de remate pronto e inesperado. Foi sem espanto pois, que se fez nosso treinador na parte física e também psicológica, quando por exemplo, fomos  jogar na Casa de S. João de Deus, em Barcelos, donde saímos vitoriosos.

Tive conhecimento que a sua saída do Seminário  ocorreu após a conclusão do curso de Teologia.

Por mais  que tente continuar estas linhas, como que dando a entender que todas as pessoas já nomeadas continuam vivas, não consigo afastar a perturbadora sensação de  ter  escrito sobre três pessoas que já não estão fisicamente entre nós: O P. Gonçalves de Araújo, o colega Louro e o professor José António. É o último UNIASES que nos traz a notícia retardada, em um ano, da sua morte.

E como “morrem cedo aqueles que os deuses amam”, a vida destes três  amigos foi curta  a suscitar a lamentação de Nietzsche : “ o primeiro pior  dos males é morrer cedo e o segundo é ter que morrer um dia “.  Se no Seminário da Silva fomos todos, gente feliz sem lágrimas, muitos de nós não as pudemos evitar, para chorar as suas vidas breves quando havia ainda tanto que fazer!

Para mim, todos continuam vivos na grata memória que deles conservo e ao lembrar, em especial  o professor de Filosofia, José António, faço-o  por dever.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 11:44

O Canto do Cisne, "Ronaldo"

por cunha ribeiro, Terça-feira, 15.02.11

A vida é efémera. A vida de qualquer  "fenómeno" da bola é ainda mais efémera. A glória e a fama são ainda mais efémeras que a vida. Ronaldo, ídolo de muitos, é já lembrado por poucos.

Depois do prazer e do sonho...

... o pesadelo e a dor.

Assim é a vida - Um agridoce "fenómeno" que passa.

 




14 fev. 2011 ... Foi em ambiente de emoção que Ronaldo, o fenómenodisse adeus aos relvados, em conferência de imprensa. Aos 34 anos Ronaldo diz que «não consegue mais». ... «Quero agradecer à minha família. A todos os críticos em geral, a todos vocês (ndrjornalistas) que me criticaram e me ajudaram a ser mais ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 05:14

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds