Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Dezembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Esperemos que isto não aconteça nunca em Terras de Aguiar

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

Ventos com força de furacão (265 Km/h) colocaram em Ardrossan, Escócia, esta turbina a arder por causa de rotação a velocidade excessiva. Possivelmente, digo eu, foi o sistema de travões que falhou. No nosso panorama habitualmente planeado com primazia, há umas turbinas bem perto de zonas habitacionais – basta fazer a A8 e observar alguns exemplos. Mas a sorte protege os audazes e nós ousamos e bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:52

Quo Vadis Federação Portuguesa de Futebol?

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

 

 Hoje foi encontrado o sucessor de Madaíl na Federação Portuguesa de Futebol.

 Embora pareça contraditório, pois foi com  ele, Madail, que Portugal se qualificou mais vezes para as fases finais do Europeu e Mundial, julgo que Madail foi um Presidente medíocre.

 Razões? 

 1. A melhor selecção de sempre esteve no activo no seu "reinado" sem uma única vitória.

 2. Teve uma final europeia em casa e perdeu-a.

 3. Pagou principescamente  a Scolari e este não deixou um cêntimo em impostos nos cofres do Estado.

 

Mais razões, para quê?

 

CR

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:28

Fiasco Luso em Madrid

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11
 
 
 Fui ver se o Ronaldo estava a jogar... e o Mourinho a treinar

 

 Mas nem um jogava, nem o outro treinava.

 Serão os melhores do mundo... mas de outro mundo, não deste.

 

CR

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:00

Fui ver se o Ronaldo estava a jogar... e o Mourinho a treinar

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

 

 Mas nem um jogava, nem o outro treinava.

 Serão os melhores do mundo... mas de outro mundo, não deste.

 

CR

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:50

Bom Natal a todos os meus amigos de ontem e de hoje

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

 

DEIXEM-ME RECORDAR:

 

Era um fedelho, ainda sem perceber nada do mundo e da vida. Talvez à espera de ter idade para ir para escola primária.

 Por essa altura, ainda não se rezava missa dominical em Parada.

 Estávamos no tempo em que a “Capela do Santo” era um pequeno “estábulo” onde se reuniam algumas almas. Uma espécie de presépio, onde só o burro e a vaca não podiam entrar.

 

Mas, verdade se diga, sem essa linda capela alguns e, sobretudo, algumas gentes da nossa aldeia, vide, a Tia Glória, não teriam ficado, como ficaram, na memória colectiva dos paradenses.

O dia de consoada era para mim a apoteose da quadra - muito mais interessante que o de Natal.

Muito embora fosse um dos dias mais pequenos do ano, era afinal, para nós, um dos que mais tempo durava. Começava pela manhã e prolongava-se alegremente até à missa do galo, que o Pe Amaro rezava em Soutêlo de Aguiar, à meia noite, em ponto.

Ora, um dia  que se prolongasse até depois da meia noite podia ser uma grande chatice. Mas não o dia de consoada. Esse acabava sempre por ser curto demais.

Logo pela manhã, vinha a excitação das guloseimas. Por volta do meio-dia lá vinham elas, dentro de um açafate, da feira dos vinte e cinco. Ele eram  figos secos; ele eram amêndoas; ele eram pinhões; ele eram confeitos..., enfim, uma fartura de coisas boas e raras. Tão raras que ao longo do ano, ninguém as cheirava.

 Mas, para além dos encantos e lembranças comuns, que todos nós conhecemos e vivemos, há uma muito peculiar, muito minha ( minha e dos meus irmãos) a qual recordo sempre como se a estivesse a reviver no momento. É uma espécie de renascimento, um sonho que me leva de retorno à infância.

A minha irmã, Deolinda, já  alinhavava umas costuras, e todos os anos fazia umas saquinhas em pano branco que sobrava de lençóis já gastos.

 Ora ela tinha o imenso prazer ( como ainda hoje tem) de contribuir à sua maneira para o prazer dos que convivem com ela. E nessa altura os felizardos éramos nós, os três irmãos.  Assim que tinha a saquitada pronta lá vinha ela, feliz, distribuí-la pelos irmãos.

 Ora, para nós, exibir o saquito cheio de lambisguices era como levantar um troféu. Na distribuição inicial, funcionava em pleno a democracia doméstica - todos enchiam o pequeno saco. O pior era mantê-lo cheio até ao fim do serão. É certo que todos guardavam, com zelo, as guloseimas; mas , durante o dia, os  ataques  da nossa gula, na altura muito bem afiada, eram avassaladores ( mesmo que os sacos estivessem, como estavam, atados na ponta).

 

Entretanto, o que escapasse, sem dano, às investidas vorazes , era , ao serão, açambarcado por quem tinha mais sorte, no jogo do rapa. Mais sorte, ou mais poder, pois os mais velhos, não tendo a ajuda da sorte, impunham a lei do mais forte. A democracia que enchera os sacos de todos, era agora ignorada e substituída por uma espécie de lei da sobrevivência. Mas calma que não havia zaragata. Naquela casa havia disciplina. Respeitavam-se os mais velhos, mesmo que estes abusassem um pouco do seu poder.

Na prática, a coisa passava-se mais ou menos assim: O rapa ia rodando na mesa, e de mão em mão. Uns iam tirando, ou rapando, outros, mais infelizes, iam deixando e perdendo. 

 

Quanto a “comícios” a coisa também era única: Ao meio dia ninguém comia mais que quase nada: algumas – poucas - guloseimas e o "caldinho" se alguém quisesse.

À noite era a grande desforra. Primeiro, o bacalhau e o polvo cozido; depois, as rabanadas, os bolos e a aletria. Um regalo de sobremesa. A única de todo o ano.

 Ainda hoje me interrogo por que razão não se fazia aquilo pelo menos uma vez todos os meses. Que diabo, eram só doze vezes por ano. Ou então, distribuíam a coisa: um mês uma sobremesa de rabanadas, outro, uma de aletria, e por aí adiante. Mas não, só havia um santo dia no ano para aquilo tudo. E nós, com a vesícula ainda sem mácula, bem que comíamos tudo.

Depois da janta, e do rapa, estava na hora da missa do galo. Era uma verdadeira loucura, a pequenada a correr e a saltar, estrada além, excitados com aquela espécie de liberdade nocturna aprovada, até se alcançar a Igreja.

 

Lá dentro, o presépio era o centro de toda a minha atenção. Para mim, estava ali, em ponto pequeno, todo um mundo de fantasia e mistério que me fazia sonhar. Uma espécie de Disneylândia dos pequeninos.

 Durante a missa nada mais mexia com os meus sentidos senão aquilo. Não ouvia nada, não via ninguém à minha volta. Interessava-me pelo pequeno tanque, feito com um pedaço de vidro espelhado, onde "nadavam" patinhos brancos; sobrevoava nas asas do Anjo por cima das pequenas elevações  feitas de pedra e de musgo a simular montanhas. Admirava a forma artística como tinham edificado o curral onde estava o menino, deitado, e o pitoresco de todas aquelas figuras à sua volta.

O certo é que, mergulhado na fantasia ali recriada, não via a hora da missa passar. E quando dava por ela, estávamos a beijar o menino, e a regressar de novo aos saltos, como cabritos, ao doce convívio do lar.

 

Francisco Cunha Ribeiro

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 19:15

A Primeira página do próximo número do JORNAL DA ASSOCIAÇÃO

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

 



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 17:17

A experiência ensinou-nos ( e não os livros, como no caso de Sócrates...) que não haverá lucros acima de 60. milhões

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11
O Banco BIC pagará mais do que o preço acordado pelo BPN (40 milhões de euros) se ao fim de cinco anos os lucros acumulados excederem 60 milhões de euros, informou hoje o Ministério das Finanças, através de comunicado.

Haverá lugar ao «pagamento de um acréscimo de preço, caso ao fim de cinco anos, após a data da celebração do contrato de compra e venda, se verifique um resultado acumulado líquido superior a 60 milhões de euros», pormenoriza-se no texto.

Esta é uma das condições do acordo-quadro celebrado hoje entre o Estado e o Banco BIC, que o Ministério qualifica como «passo intermédio essencial para a celebração do contrato de compra e venda das acções do BPN, até Março de 2012».

Além de se comprometer com a «aquisição ao Estado de todas as acções objecto de venda directa bem como todas aquelas que foram subscritas pelos trabalhadores do BPN», o BIC assegurará ainda a integração «de um mínimo de 750 trabalhadores do BPN».

Em declarações à TVI, o presidente do BIC, Mira Amaral, disse que o banco de capitais luso-angolanos já passou um «cheque» de 10 milhões de euros, equivalente a 25 por cento do valor total do negócio.

Mira Amaral disse que, segundo o acordo assinado hoje, o negócio final ficará concluído até 31 de Março. No entanto, afirmou estar «convencido que, até Fevereiro de 2012, seja possível ter a posse efectiva» do banco.

O presidente do BIC afirmou que a operação terá de ser notificada a Bruxelas.

Mira Amaral disse ainda que, depois de o negócio estar concluído, «a marca BPN vai desaparecer» e comprometeu-se a ficar, «pelo menos, com 750 trabalhadores» do banco.

O Ministério das Finanças anunciou a 31 de Julho a venda do BPN ao BIC por 40 milhões de euros.

No comunicado hoje distribuído, o Ministério adianta que o recurso ao procedimento de venda directa se justificou, designadamente por não ter aparecido qualquer proposta na operação de reprivatização por concurso público realizado em 2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 15:33

Parada do Corgo em todo o seu esplendor

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 13:11

CAVACO: "Eu já DISSE o que tinha a dizer...Agora FAZER não faço nada..."

por cunha ribeiro, Sábado, 10.12.11

 

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado pediu a Cavaco que envie normas sobre cortes nos subsídios para o Tribunal Constitucional.

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) pediu hoje ao presidente da República a apreciação prévia da constitucionalidade das normas do Orçamento do Estado para o próximo ano que suspendem os subsídios de férias e de natal dos funcionários públicos e pensionistas.

"Sendo sobejamente conhecida a especial sensibilidade do Presidente da República para a ‘justa e equitativa repartição dos sacrifícios', o STE espera que o mesmo solicite ao Tribunal Constitucional a apreciação prévia da constitucionalidade das normas em causa", lê-se num comunicado do sindicato divulgado há pouco.

Além da suspensão dos subsídios de férias e de Natal para os funcionários públicos e pensionistas com rendimentos acima de 600 euros, o STE pede ainda a intervenção de Cavaco Silva junto do TC sobre a manutenção dos cortes salariais médios de 5% já aplicados este ano.

Segundo o STE, as normas em causa "comprometem os princípios da igualdade e da equidade na repartição de sacrifícios".

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

às 11:24

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds