Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Dezembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Vales de Aguiar

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 14.12.11

 

Ao Nascer do Rio Corgo 

 

Talvez os deuses do Olimpo se tenham rendido à simpatia e simplicidade dos  aguiarenses do vale do Corgo e, em celestial reunião, delegassem em “ Tellus”, a deusa das terras férteis, o poder de decidir a melhor sorte e amparo para tão extenso e produtivo vale.

 Começou então por fazer crescer à volta da planície duas prodigiosas montanhas em concha, fechando o vale no Covêlo , abrindo-o em Vila Pouca.

Fértil como poucos, este grandioso vale de Aguiar nasceu e cresceu bebendo a seiva do Corgo – rio que nasce nas entranhas da Mãe - Vila - Pouca , e que vai irrigando em toda a sua extensão o solo aguiarense, inundando-o de vida.

 Depois, ganha balanço nas escarpas de Vila Real até se infiltrar nas águas barrentas do Douro.

Mas é, junto às origens, que, ao longo das estações, o Corgo se desfaz em amabilidades: Nos picos solares do mês de Julho, entumesce a rama murcha dos batatais, ou as raízes sedentas dos milheirais; nos frios meses de Inverno, inunda os campos caiados de branco pelas geadas, esverdeando por onde passa toda aquela brancura gelada.

 E é este espectáculo de cor e de vida, esta festa da natureza, que os seus olhos vêem do alto das penedias que tocam o céu na Padrela e beijam as nuvens no Alvão.

 A Padrela é uma extensa varanda, de onde todo o vale se avista, numa soberba visão panorâmica. Do outro lado do vale, o declive nascente da Serra do sabugueiro, exibe aqui e ali imponderáveis casarios. Quase no cimo do monte, entre Soutelo e Pontido, aflora de entre a ramagem uma imponente abóbora de pedra, que segura à cabeça o velho Castelo de Aguiar.

 Lá em baixo, junto ao Corgo ancestral, nos prados verdes que o acompanham, vacas prenhes de leite, ruminam a erva tenra; um renque verde de amieiros, serpenteia ao longo do rio; velozes automóveis aproveitam a recta sem fim para encurtarem viagens; e a  ex-fábrica de Tabopan parece um navio fantasma no meio de um mar de verdura.

 Telões e a sua Igreja erguida lá nas alturas são o centro das atenções dos corguenses; ao lado, como uma orquestra escondida no palco, está o Pontido, viveiro sonoro de festas e romarias; Souto e Soutelinho são primos serranos e sobranceiros a Vila-Chã e  Carrica, que não dispensam a proximidade do vale. a cheirar a pão quente; trancando as portas do vale, vive o quase escondido Covêlo.

Ao longe, ao fundo, para além do rio, Tourencinho, resguarda-se à sombra de fragas angulares, deixando sem espaço a natureza; e, em cima, em plena serra, quase no ermo, a Sra do Extremo; Gralheira e Zimão quase se tocam; Parada do Corgo e Montenegrelo conversam à mesma janela; do outro lado entretêm-se em seus destinos vizinhos Soutêlo e Fontes;  Freiria é já um braço de Vila Pouca.

  E ao cimo da Vila, majestosa, no altar que lhe edificaram os aguiarenses, a Sra da Conceição  olha serenamente o  Vale de Aguiar -  que quis encher de riqueza e abençoar de beleza.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:30

A Falácia de Nuno Crato

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 14.12.11

 

Segundo parece, o ENSINO em PORTUGAL existe exclusivamente para os ALUNOS. 

Talvez então seja lícito concluir:

 - que A JUSTIÇA também existe em exclusivo para as VÍTIMAS.

 - E que a SAÚDE apenas existe para os DOENTES.

 

Mas:

 

 SE os MÉDICOS forem maltratados pelo Estado, quem fica a perder?  Os MÉDICOS  concerteza, mas os DOENTES  também.

 Se os JUÍZES forem desconsiderados pelo Estado, quem perde? os JUÍZES seguramente, mas as VÍTIMAS também.

 Se os PROFESSORES forem desprezados pelo Estado, quem fica a perder? Os PROFESSORES obviamente, mas os ALUNOS também.

 

Por conseguinte:

 

  A ideia de que o Estado se deve preocupar exclusivamente com QUEM É SERVIDO é redutora e daninha, pois QUEM SERVE  servirá pior.

 

CR

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 19:21

Na peugada da fé

por cunha ribeiro, Quarta-feira, 14.12.11

 Uma noite destas - numa daquelas insónias que têm a única vantagem de nos deixarem entregues ao pensamento-  tentei descobrir argumentos que combatessem a minha falta de fé.

 A falta de fé parece que não incomoda, mas incomoda; parece um estado de paz, mas não é.

 Ora, há muito que a falta de fé me vai incomodando. Sobretudo quando paro para pensar no assunto.

 Talvez por isso, aproveitando a falta de sono e o  espírito de Natal que, neste momento,  nos vai aquecendo a alma, lancei-me, naquele intervalo nocturno, à descoberta da fé.

 E a verdade é que se me revelaram umas pegadas, mais ou menos vincadas, aqui e ali.

 Primeiro, tentei combater essa Ideia de difícil compreensão que é a ideia de Deus. Para isso procurei descobrir uma entidade semelhante, que fosse de carne e osso, que pudesse encontrar numa rua ou café, ou noutro sítio qualquer, por esse mundo além.

 Tempo perdido, porém.  Não via ninguém com aquele aspecto de patriarca. Com aquelas barbas brancas. Com aquela órbita de luz à volta do rosto.

 Mas não desisti. Pensei no presépio ... naquelas imagens extraordinárias... que representam pessoas extraordinárias e... fez-se luz: Aquele menino que existe agora, apenas em barro, ou outro material qualquer, existiu outrora, fazendo parte da história da humanidade. E foi um ser tão extraordinário que é uma perfeita imagem do Deus que eu gostaria de ver, de conhecer. É certo que também não posso ver nem conhecer o tal menino, de carne e osso, a quem chamaram Jesus. Mas - perguntei-me - não acredito eu que existiu o Afonso Henriques, o Luís de Camões, ou o Santo Condestável? Claro que acredito. E por que é que acredito?  Porque está escrito. Sendo, por via disso, personagens que existiram num dado momento da nossa história, e num certo espaço geográfico. Ora, se também está escrito que Jesus existiu, num certo tempo e num certo lugar, como hei-de eu duvidar que Ele existiu?

 

Estava eu neste ponto quando, talvez tocado pelo divino, me chegou o sono, e aqui fiquei. Mas, já há um caminho por onde caminhar.

 

Francisco Cunha Ribeiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 14:24

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds