Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Domingos Dias- o imortal

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 06.04.12

 Soube que nas Pedras salgadas há JÁ uma rua com o nome do Presidente da Câmara de Vila Pouca, Domingos Dias.

 Para mim isto é brincar com o sentido profundo  da TOPONÍMIA.

Enquanto o indivíduo existe com um corpo visível à face da terra, o seu nome  e ele próprio são indissociáveis, navegam juntos na espuma dos dias . É por isso que quando passamos ali por Belém, e vemos um homem magro, de fato e gravata, a sair do Palácio, apontamos:  lá vai  o “ Cavaco Silva” . Ora, Cavaco Silva é justamente o nome que, se o dono dele aceitasse, teria a Ponte Vasco da Gama, em Lisboa. Não aceitou e fez bem. Assenta melhor o nome Vasco da Gama, por ser um herói português que a história inscreveu na galeria das pessoas notáveis.

 Há em Portugal uma miríade de ruas e praças com o nome “ Sá Carneiro”.  Ainda bem que há, porque depois daquele acidente inexplicável que o levou, nunca mais encontraríamos alguém com aquele corpo franzino, e aquela inteligência  emocional e política, a quem chamar “Sá Carneiro”. Assim, quando ouvimos ou vemos o seu nome ligado a uma rua, lembramos aquele mesmo corpo, ou imagem, tal como era antes da morte.

Se Sá Carneiro ainda andasse por aí ( e atendendo à falta que faz,  é pena que já não ande), não seria lógico, nem faria sentido, vermos tantas ruas e praças por esse país além com o seu nome. Mas como não anda faz todo o sentido.

O nome de um indivíduo ainda vivo, e sobretudo ainda em idade de exercer uma actividade, ou profissão, não deveria saltar para a tabuleta de uma Rua, Avenida, ou Praça. Atribuir nomes de pessoas a ruas, ou avenidas, ou outra obra pública qualquer, ainda em vida,  poderá considerar-se, na minha visão do problema, uma apropriação ilícita de um bem público, e mesmo  uma usurpação de poder.

 A TOPONÍMIA, como justa homenagem a pessoas que se destacaram pelo seu mérito público, não se destina certamente a promover um indivíduo, de forma a que tenha privilégios materiais com tal promoção. Destina-se antes a preservar do esquecimento que a morte provoca, a sua memória.

 A TOPONÍMIA é pois uma espécie de agradecimento público pelo que determinada pessoa fez pela comunidade, e não pelo que fez por si próprio ou pela sua família ( sem com isto querer inferir que no caso concreto de Domingos Dias haja qualquer benefício ilícito para si ou sua família, note-se).

 Há mesmo quem diga que a atribuição de nomes de pessoas ainda vivas poderá configurar uma modalidade de corrupção. Pela minha parte não iria tão longe.

 No Brasil, a localidade  onde Sarney, ex-presidente brasileiro, nasceu, quase toda a família tinha nomes de rua. O povo, que sempre soube chamar os bois pelos nomes, baptizou-a, com alguma piada, de SARNEILÂNDIA.

 Em Portugal, julgo que ainda não se chegou aí, mas por este caminho, lá se chegará.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:28

Uma Páscoa Feliz para o Manuel Reis Dias e família

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 06.04.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 17:51

Mais um paradoxo com o sêlo PS

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 06.04.12

 

A atitude do PS roça o absurdo. Como é que um partido que deve ser de esquerda - embora moderada -  não subscreve a criminalização do Enriquecimento Ilícito?

Alguém me explica o paradoxo?

Ninguém irá entender que esta bandeira seja içada pelos partidos de direita e pela esquerda radical.

 

CR

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 17:11

Escolas do Ensino Básico e Secundário - A Lei da Selva

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 06.04.12

140 professores agredidos no ano passado nas escolas básicas e secundárias

Publicado em 2012-04-06

 
21 1 0

O Observatório de Segurança em Meio Escolar registou, no passado ano letivo, 1.121 agressões em estabelecimentos de ensino básico e secundário, 140 das quais contra professores, número inferior ao ano anterior.

 
foto GLOBAL IMAGENS/ARQUIVO
140 professores agredidos no ano passado nas escolas básicas e secundárias
Número de professsores agredidos diminuiu.
 

Das agressões verificadas no ano letivo passado, que representaram quase metade das ocorrências que tiveram lugar nas escolas, 874 foram contra alunos, mais 30 do que no ano letivo de 2009/2010, enquanto as que foram cometidas contra professores desceram de 169 para 140, com as agressões a funcionários a passarem de 102 para 107.

Do total das 3.326 ocorrências registadas pelo OSME em 2010/2011, acima das 3.138 do ano letivo anterior, 46,1% foram atos contra a liberdade e integridade física, uma descida de seis décimas face a 2009/2010, enquanto a segunda categoria mais presente nos registos foi a de atos contra equipamentos escolares, de 20,5% para 18,9%.

Já os atos contra equipamentos e bens pessoais também se viram reduzidos de 13,3% para 10,6% e em termos de atos contra a "honra e bom nome das pessoas", estes constituíram 13,9% do total, uma subida de 2,5 pontos em relação ao ano anterior.

Apenas cerca de uma em cada 10 escolas do país verificaram ocorrências, com a região de Lisboa e Vale do Tejo a concentrar a maioria destas situações, registando quase dois terços do total com 1.961 incidentes (acima dos 1.789 registados em 2009/2010), seguindo-se o Norte com 856, número também superior aos 775 de um ano antes.

O Algarve manteve-se precisamente nas 202 ocorrências e o Centro desceu de 211 para 181, uma descida ainda assim inferior à do Alentejo que baixou de 161 incidentes para 126, segundo os dados desdobrados por Direções Regionais de Educação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 16:43

Páscoa - essa Luz ao fundo do Túnel

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 06.04.12

 A Páscoa deveria ser a maior festa entre os que acreditam na sua mensagem. É que a Páscoa é a maior prova que temos do milagre da existência. É a Páscoa e o que Ela simboliza que nos explicam a transitoriedade da morte e a a eternidade da vida. Três dias bastaram para que Jesus nos revelasse o tempo que levamos a atravessar o pequeno túnel que dá acesso à eternidade. 

 Por isso a Páscoa é uma luz ao fundo do Túnel que nos pode trazer a esperança se estivermos desesperados, nos pode fazer sorrir se estivermos tristes, nos pode reanimar se estivermos desanimados, nos pode pacificar se estivermos em "guerra" com os outros ou com nós próprios.

 

 Uma Páscoa cheia de esperança, de alegria, e de paz para todos

 

Francisco Cunha Ribeiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 00:01

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds