Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


COLOCAR_SE A CAMINHO‏

por Francisco Gomes, Segunda-feira, 27.10.14

Nós todos os dias somos chamados a uma atitude de conversão e de ação, de calçar as sandálias da humildade e colocar-se a caminho. Assim aconteceu com Abraão o pai das três Religiões Monoteístas que existem no mundo, o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. Abraão foi convocado por Deus para se deslocar para outro país. Ele respondeu com uma eloquente profissão de fé. Deixou suas terras, sua situação  na Mesopotâmia, largou suas origens, suas raízes e seus costumes e foi para uma terra que Deus lhe indicou.  Ali formaria a nação do Povo de Deus. Toda a sua vida era ancorada pelas promessas de Deus, fazendo dele o Pai de uma enorme nação. Deus firmou com Abraão uma aliança eterna.

Apesar da infidelidade dos homens, Deus será sempre fiel a esta aliança. Por isso, prometeu a Abraão que seria Pai de um povo tão numeroso, como "as areias do mar e as estrelas do firmamento." Que seria o sua "Rocha Protetora." Cumprindo connosco as promessas que fizera a Abraão, Deus veio pessoalmente ao nosso encontro, na figura de Jesus Cristo. Nasceu como qualquer humano, num estábulo na cidade de Belém. Jesus nos mostrou a glória de Deus na "Transfiguração no Monte Tabor." onde provou ser o Deus Visível, Filho do Deus Invisível. A humanidade estava presente nas figuras de João, Pedro e Tiago. No Tabor, Jesus Cristo, traçou o novo rumo à Terra Prometida, passando pelo Sacrifício da Cruz e assim, nos conduz ao limiar da Vida Eterna.

Nós somos eternos peregrinos e nossa vida é um caminhar eterno, na direção da Pátria Celeste, o Céu. Para lá caminhamos passo a passo, cada dia que vivemos neste mundo. Pois nós somos estranhos ao ambiente terreno, porque somos cidadãos do Céu. A Transfiguração é um convite de Deus para contemplar-mos o brilho do seu rosto, na figura humana de Jesus Cristo. Moisés havia presenciado este mistério, no Monte Horebe, a sarça ardendo sem se consumir. Deus mandou que tirasse as sandálias, pois aquela terra era santa. Logo a seguir, os hebreus saíram do Egito, para caminharem pelo deserto, sob o comando de Moisés.

Na Transfiguração do Monte Tabor, Jesus Cristo nos mostrou o rosto resplandecente de  Deus, e seu

Coração repleto de amor  e misericórdia. Logo em seguida, segue para o martírio final. Este é o convite de Deus a calçar as sandálias da conversão e caminhar rumo à Jerusalém Celeste, fazendo de nossa vida, uma nova Transfiguração.

Se não tivermos coragem para aceitar este convite, não haverá qualquer Transfiguração em nossa vida e nada de novo irá acontecer no nosso caminhar.

                                                            

Deus abençoe a todos

                                                       

Agostinho  Gomes  Ribeiro  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:30

A Dona Alcina

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 27.10.14

A Dona Alcina fazia-se respeitar. 

  Chamou um aluno da terceira classe ao quadro. E ele lá foi meio hesitante, já a pensar no pior, olhando de esguelha para a cana da índia. Tinha de resolver um problema que lhe foi ditado, naquele instante, pela professora. Começou a olhar para aquilo com a estranheza de um touro quando olha pela primeira vez a bandarilha. Puxou pelo miolo com toda a energia  que tinha. O problema, na expressão da Dona Alcina, era  "simples".  Simples, pra ela, porque  para um fedelho de 8 ou 9 anos,  diante do quadro, tudo negro à frente dos olhos, e aquela charada pra resolver, só havia uma palavra :  bicudo.

- Então, rapaz, vai ou não vai?

Não ia. O rapaz estava lívido, a suar, sem saber como pegar naquele mistério feito de números e de sinais. E o pior, era pressentir atrás das costas a censura da plateia menos sensível,  alheia à atrapalhação do colega.  Alguns intimamente recompensados: " Anda, aguenta! É pelos bolos que dás à malta na tabuada...". Envergonhado, paralisou dos pés à cabeça, e baixou os braços.

Recordou, então, num ápice, os dias anteriores sem aulas:  A neve cobrira tudo de branco até aos joelhos do Zé Ribeiro, o jovem mais alto da aldeia. Horas entretido a armar a ratoeira por hortas e por lameiros, a ver se os melros caíam. Ou com o vizinho, Heitor, a brincar ao escorrega  junto à capela. E os livros, a dormir dentro da pasta.

Agora, ali estava ele às aranhas, sem saber a lição...

Estava neste enleio quase feliz, quando de trás, voou a todo o vapor um cachaço, que o seu reflexo transformou em chapada.

Definitivamente, não resolveu a equação; bateu-lhe, estrondosamente, com a cabeça, como que a cabeceá-la pra longe de si. Chorou.

Ao fim do dia, regressou a casa mais triste que a própria tristeza. Sacou  o livro de matemática, a lousa e o ponteiro. Só houve intervalo ao jantar. À luz da candeia, no escano,  fez exercícios até o borralho acabar.  Finalmente entendeu aquela bodega.

A madrinha, a segunda mãe lá de casa, achou aquilo pouco normal:

- Tens tantos deveres pra fazer?

- Sim, tenho.

Não disse mais nada. Sabia quem era o réu caso fizesse queixa da professora. E o mais certo era acrescentar à chapada uma reprimenda daquelas.

 

A.V.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 19:39

Top Páginas (ontem)

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 27.10.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 09:58

Capela do Santo - Requalificação

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 27.10.14

Este Fim de Semana tive a felicidade de ver que a histórica Capela do Santo, em Parada de Aguiar, está a ser requalificada. Mais concretamente, a escada da entrada principal, no frontispício, está a ser revestida a granito.Queria aqui expressar o meu contentamento por este facto novo.

Há quem não goste que, publicamente, lembremos coisas desagradáveis (para quem não gosta, claro), mas não me importo de contrariar tais sentimentos, e vou relembrar:

Há uns tempos atrás, dois anos ou mais - quem frequenta este blog deverá recordar-se - resolvi escrever sobre este assunto (da requalificação da capela e espaço adjacente). Cheguei mesmo a compor uma imagem do alçado frontal da capela com um fontenário "colado" à escada, sem o tanque.  Recordo ter sugerido que a torre deveria ser revestida a granito, numa tonalidade o mais aproximada possível à da pedra do edifício. Referia ainda que, pelo menos, nas arestas (esquinas) a torre deveria ter esse revestimento, de forma a harmonizar-se com a capela no seu conjunto. Disse ainda mais, mas fico agora por aqui. Só acrescento o seguinte, regessando à obra em curso na escada principal da Capela:

 

Não seria oportuno aproveitar esta intervenção nas escadas para, em definitivo, "trasladar" o tanque do Santo? (perdoem-me a expressão fúnebre, mas não é utilizada com tal intenção). E, com a magnífica nascente que ali brota diariamente, construir um belo fontenário, no exterior, encostado, à parede frontal da escada? Note-se que ao dizer "belo" quero transmitir a ideia de beleza objetiva, que resultaria de uma aprovação maioritária de um projeto pela maioria da  população, e não a expessão de um "projeto pessoal", em que se espelha quase sempre a beleza subjetiva, isto é, o que uma só pessoa acha que é belo. Devo aproveitar, aliás, para perguntar o seguinte: 

De quem foi o projeto da colocação do forro da capela de S. Pedro? E quem o aprovou? De quem foi o projeto da requalificação do Adro de S. Pedro e do Bar? E quem o aprovou?

Julgo que a resposta a estas questões nos conduz inevitavelmente ao que acabo de referir em cima: a beleza, ou mesmo a utilidade, de um projeto, qualquer que ele seja, deve espelhar a opinião de uma maioria. Maioria essa que deverá ser a parte maior de um conjunto de pessoas direta ou indiretamente interessadas nesse projeto. No caso de uma aldeia, a maioria da população dessa aldeia.

Mas voltando ao assunto do fontenário e da mudança de localização do tanque:

Para onde mudá-lo? ( Perguntarão)

Nada difícil, em, minha opinião: O espaço térreo da  casa adquirida pelo Conselho Diretivo do Baldio, na parte que dá para o Largo do Santo, situada entre a residência do Engº Crespo e a Rua Dr Abílio Ribeiro, tem enquadramente quase perfeito para o efeito:  o tanque parece ter ali a sua calha. Acresce que poderia ser ali colocado um alpendre, com os óbvios benefícios do mesmo, seja no plano do conforto, seja no plano estético. Tudo isto conjugado, e de harmonia, com o plano que parece já desenhado, ou idealizado (embora não discutido publicamente, como deveria) com a casa já referida... O grande problema do escoamento das águas que terá estado na origem da oposição permanente de algumas pessoas a essa mudança, estaria resolvido, a meu ver, já que nenhum dos atuais beneficiários desse escoamento ficaria prejudicado.

E pronto, a minha opinião está dada. Este espaço está aberto a outras. Embora eu preveja que ninguém, (salvo uma ou duas honrosas exceções que toda a gente conhece) irá opinar sobre assunto tão importante.

 

FCR

 

 

 

______________________________________________________

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:49

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds