Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


Tormenta

por cunha ribeiro, Segunda-feira, 06.02.17
 
 

Toda a noite fora um inferno. Rajadas de vento sem fim, barulhos, ruídos de latas a rodopiar no lajedo, bátegas, chuvas torrenciais.

Ao serão, já o vento e a chuva se soltaram em fúria. A candeia apagara meia dúzia de vezes. No "estrevão", ouviram-se silvos por entre as fendas das telhas. Os  adornos de jornal no louceiro buliram sacudidos pelo vento.

Cedo, de manhã,  galhos de árvores no chão, lixo a entupir os caleiros, pedras e pedregulhos ao deus dará. Um cenário desolador.

Apitava o comboio das dez, quando chegou minha mãe, com um saco de serapilheira enrodilhado à cabeça. Castanhas! O vento outonal fizera o seu trabalho noturno semeando de grossas castanhas o chão da Abelheira.

Ali estava a ceia para uma quinzena: Castanhas e batatas cozidas, no pote.

- Então, nem uma castanhinha tu comes, meu filho?

Que as comessem os outros.  Assei as batatas nas brasas, espremi-as na palma da mão, e prato com elas. Depois, um fio de azeite, e toca a comer.

- Ó Srª Avelina, o padeiro já veio? ( Interrogou, uma vizinha, junto do tanque do Santo)

- Ainda não, e é capaz de nem vir, que o rio deitou fora, e cobriu a estrada até à linha.

O Corgo, com as fortes bátegas de água nocturnas, parecia um braço de mar. A ponte de pedra ficou submersa. A estrada era agora o leito de um rio que escorria e inundava os terrenos à volta; no meio das águas revoltas, erguiam-se apenas os amieiros de à beira do rio. Impossível passar a pé, ou de carro, além da linha de caminho de ferro. Quem quisesse sair ou entrar na aldeia, só de comboio o poderia fazer.

No dia seguinte, já o rio regressara ao seu leito. Fomos, então, eu e meu pai, às Lamas. O ribeiro podia ter feito estragos lá pelo Lameiro.

- Ficou quase todo debaixo de água. ( concluiu meu pai)

- Como é que pode afirmar?

- Repara bem. Vês este peixe a rabejar neste charco?

- Sim, ainda há pouco vi outro.

- São trutas. Foram as águas do Ribeiro e da chuva que as trouxeram pra cá.  

A água, entretanto, regressara de novo ao ribeiro e, nos regos por onde passara, ficaram algumas trutas perdidas, tentando safar-se como podiam, nos restos de água que formavam charcos. Com as mãos, apanhei duas ou três.

- Já temos merenda. ( disse meu pai).

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 18:53

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg


subscrever feeds