Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


O Zé Sapateiro

por cunha ribeiro, Quinta-feira, 09.02.12

 

  O Zé Sapateiro herdou este nome do pai - o Ti Carlos. Este, sim, sapateiro de profissão.

  Teve, como quase todos os rapazes da aldeia, naquela  época, um destino marcado à nascença - ser lavrador. Como todos os lavradores, lá tinha  a sua parelha de vacas, o seu arado, e o seu carro de bois.

 Depois de muito lavrar, semear, e cavar, para sobreviver- pois o centeio, o milho, e a batata estavam sempre em "saldo" no produtor - resolveu dar o salto, muito em voga na época, rumando à Alemanha. Creio que foi Hamburgo, o seu destino. Aí carregou e descarregou navios até se cansar de estar longe do berço.

 Era óbvia a sua falta de vocação para emigrar. Talvez por ser solteiro, sem filhos a pedir boa vida, não esteve para sacrifícios vãos. Por isso, pouco tempo depois de ter ido, comprou bilhete de volta.

 Como tinha a irmã, a Maria, a viver em Paris, fez escala naquela cidade. Por essa altura, estava eu a estudar ( e a trabalhar) na cidade luz. E claro, lá recebemos todos o Zé.  Naquele dia jantámos na residência da minha irmã, no 106, da "Avenue des Ternes".

 Se bem me lembro, ficou lá uma só noite, tais eram as saudades da valsada e das vacas. E onde havia de dormir o Zé Sapateiro? Justamente no meu quarto, algures no sétimo andar de um prédio  sito na "Rue Pierre Demours".

 O Zé Sapateiro era divertidíssimo. Pelo caminho, deixei-o deliciar-se com marcantes recordações que trazia da sua estadia alemã. "Tinha visto coisas que ninguém em Parada acreditaria ter visto!"-  " Nem em Paris, nem em mais lado nenhum!"

 Num ápice, o Zé já tinha conseguido o que pretendia, naquele momento: despertar a minha curiosidade para o que ia dizer.  E a verdade é que eu fiquei logo impaciente. Mas esperei que o Zé continuasse a desenrolar a conversa.

 

 O certo é que o suspense ia crescendo de rua em rua ( enquanto o Zé divagava por outras conversas, talvez com alguma vergonha em revelar aquela coisa rara e misteriosa). E foi já perto da entrada do prédio onde eu morava que o Zé se decidiu:

 " Nem queiras saber.." - disse ele - "... um gaijo ia pela rua adiante, olhava pra um lado via gaijas todas incoiro, nas montras!... olhava pró outo lado, mais gaijas incoiro", nas montras...oubistes bem? nas montras!! E era-te cada par de tetas, rapaz! Nem queiras saber!"

  Deixei-o embalar até onde lhe apeteceu. Estava a fazer-lhe bem recordar aquelas coisas alucinantes "que só havia em Hamburgo"... Aqui num há disso - repetia - "tens que lá ir pra ver o que aquilo é!".

   - Tudo bem, em Paris, não há montras com raparigas lá dentro... Mas há montras com raparigas cá fora... Disse-lhe eu, por outras palavras.

 Já estávamos a entrar no quarto. Deitámo-nos.  Daí a minutos, o Zé Sapateiro roncava sonoramente. Tão sonoros eram os roncos que até as paredes devolviam o eco do ressonar.

   

  

 

Francisco Cunha Ribeiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:01

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg