Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728


CONTADOR DE VISITAS


contador View My Stats

página de fãs


Pesquisar

 

sitemeter


Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


O Ti Ernesto Nora

por cunha ribeiro, Sexta-feira, 24.02.17

Morava numa casa de pedra de cantaria, talhada a régua e esquadro, perto do Largo do Santo, com a tia Palmira, sua esposa. Agricultor como tantos outros, atravessou a vida de forma simples e honesta, a cavar, a sachar e a regar.

Os seus dois filhos são o exemplo vivo do devir histórico da nossa diáspora. Um rumou ao Brasil, a outra escolheu a Europa. Os dois tiveram sucesso nas suas escolhas. 

Assisti inúmeras vezes à pungente saudade com que o ti Ernesto Nora falava da filha.  Ainda o estou a ver lá em casa, no escano, curvado, com os cotovelos fincados nas pernas, mãos debaixo do queixo, e os olhos banhados em lágrimas:

- A minha filha nunca se esquece do pai e da mãe ... é tão boa, a minha filha.

E as lágrimas escorriam-lhe pela cara abaixo.

Quis o destino que a minha existência se cruzasse, por algum tempo, em Paris, num convívio ameno e salutar, com a filha do ti Ernesto, amiga de minha irmã, casada com o Manuel Pinto, e com os dois filhos ainda pequenos. Moravam em Clichy, onde, sobretudo ao fim de semana, me deslocava, e aproveitava para partilhar, à mesa, saborosas caldeiradas de berbigão feitas, com enorme talento e pachorra, pelo Manuel.

Eu e o Manuel comungávamos de um gosto comum pelo ciclismo. Por essa altura, Joaquim Agostinho brilhava na Volta à frança, o que nos enchia a alma de orgulho patriótico. Acompanhávamos os seus êxitos pela televisão. Um dia, pouco tempo depois de ter alcançado um retumbante terceiro lugar, a segundos de Zoetmelk, e a escassos minutos de Bernard Hinault, havia uma corrida  nos arredores de Paris. Uma espécie de "clássica".  E o Manuel Pinto lembrou-se de me convidar.

- Vamos ver o Agostinho? 

- Vamos lá.

E fomos os dois, cheios de esperança em ver, mais uma vez,  o nosso Agostinho brilhar. Agora com a vantagem de o termos perto de nós, a correr, de lhe podermos quase tocar. Até o blocozinho para o respetivo autógrafo levei. Quando chegámos, já os ciclistas estavam na estrada, a correr. Andámos de um lado pró outro, sempre a tentar descobrir um ciclista forte e musclado que o L`Éqiuipe, surpreendido com a sua força e perseverança a subir montanhas,  baptizou de "Toro portugais". O pelotão ia passando por nós, mas Agostinho.. nem vê-lo.  Não havia meio de o descortinarmos nem no pelotão, nem à frente , nem atrás.

A corrida acabou, e nem Agostinho nem Agostinha. Só quando chegámos a casa soubemos as razões da desilusão: O nosso herói desistira a meio da clássica. Pudera, com o "cachet" garantido, valia pena andar-se a cansar?

Joaquim Agostinho era português, profissional, honesto, mas, definitivamente, não era burro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 19:43

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes




IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg