Created by Watereffect.net Created by Watereffect.net

Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


BLOGUE PARADA DE AGUIAR - Mais sobre mim


Colaboradores - Clique nas fotos para aceder aos textos de cada Colaborador

ela, 2. antonio candido . 8341659518_ecc98db9f2_m . Cândida dos Reis Dias Pinto . minha foto. agostinho ribeiro . agostinho . francisco gomes .

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


página de fãs


Pesquisar

 

Google Maps


Ver mapa maior

PARADA DO CORGO

viveiro em 1987


O PARTIDO DA SÍNTESE

por cunha ribeiro, Sábado, 20.03.10

 

Ensina a filosofia que a dialéctica é um processo do pensamento que coloca em oposição dois tipos de opinião que se confrontam radicalmente (uns dizem que a água está quente  e explicam porquê – é a tese; outros explicam que não, que está fria – é a  antítese). E ensina ainda que essa oposição deverá transitar para uma opinião final, que será a súmula daquelas duas – a síntese ( a água nem está fria nem quente, está tépida).

Em minha opinião a governação em Portugal assenta numa dialéctica inacabada.

E porquê?

Porque temos, de um lado, a tese, que não é outra coisa senão o “palavreado ” de um dos partidos defendendo projectos e ideais que não passam de sementes lançadas ao vento. Partido esse que, ora é efectivo, ora é suplente nas equipas governamentais formadas com base no dito, que se vão sucedendo pelos tempos além. E que quando quer deixar de ser suplente, promete mundos e fundos,  assegurando,   com inusitada  convicção , que com ele o reino dos céus é na terra;

  E temos, do outro lado, a antítese, isto é o  “xaraviá” retórico do  outro partido que também quer governar, e  para ser efectivo, diz cobras e lagartos do seu rival, e faz promessas do arco da velha.

Assim, quando entra na dança governamental o partido da tese, e logo que se escoa o curso do tempo em que o nobre povo descobre que a bota não bate com a perdigota, ( normalmente uma legislatura, ou menos, visto que as promessas não se cumpriram, seja porque faltou competência, seja porque não houve  vontade ) lá vai o outro partido, o da antítese, plantar  os seus eucaliptos no terreno já seco pelos parceiros de baile.

Mas como estes apenas usam eucaliptos da mesma espécie dos anteriores, chegam ao fim do seu ciclo, com o terreno ainda mais seco, e o nobre povo a vê-lo secar.

O mal está, pois, nesta  dialéctica inacabada, da mera oposição  de contrários que, a final, são iguais. Por isso, vemos hoje o P.S  a praticar a “religião” que já foi doutrina no PSD. E o resultado é o que conhecemos.

E o que será necessário acontecer para ultrapassar esta política de alcatruz?

Talvez a eclosão de um partido, ou “outra coisa qualquer”, que concilie, ou melhor, que expurgue o que há de daninho nos dois eternos contrários. E fosse capaz de fazer a síntese que nunca terá sido feita.

Separando o trigo do joio, aproveitando o primeiro e eliminando o segundo, assim se faria a síntese que falta fazer. Fechava-se, dessa maneira, o círculo que uniria os pólos político-partidários que nos  têm feito viver em  ambientes políticos  de só aparente mudança. Ambiente esse que tem impedido uma manifestação sã e pró - criativa das virtudes do tal partido da síntese, que nunca poderá estar nos pólos, mas antes “num centro ainda por definir”.

Esse centro por encontrar, que seria o fecho da tal dialéctica, seria, a meu ver, a chave para uma nova forma de governar neste século que já está a meio do primeiro quartel, e ainda vive a política que lhe ensinaram os seus bisavós, que talvez nunca imaginassem um mundo de telemóveis usados em massa, ou de “emails”a circular aos milhões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 12:01

Capela de Parada de Aguiar e Rua do Arco, com ef. especiais


Created by Watereffect.net
Created by Watereffect.net


Comentários recentes


Posts recentes



IMAGENS DA NOSSA TERRA

CLIQUE NA FOTO PARA ACEDER À GALERIA DE IMAGENS DE PARADA DE AGUIAR parada em ponto grande para imagem de fundo.

GENTE DA NOSSA TERRA

minha imagem para.jpg